Nome cientifico: Petroselium sativum (Salsa lisa) / Petroselium crispum(Salsa crespa)
Nomes populares: Salsa lisa, salsa crespa, cheiro-verde.
Família: umbelíferas

 

Habitat
Prefere climas temperados e frios.
É aconselhável cultiva-la em meia sombra.

Característica da planta (aspecto agronômico)
Herbácea pequena, bianual, bem ramosa, de raízes fusiformes, grossas e de cor branca. No primeiro ano, surgem somente as folhas, que tem pecíolo longo, formato triangular, são penadas e divididas em segmentos de margens dentadas ou crespas.
No segundo ano de desenvolvimento, surgem as inúmeras flores brancas, que se reúnem em formato de guarda-chuva. O fruto semente é diaquênio.

 

Historia (origem)
Origem, Europa meridional, foi trazida para o Brasil no início da colonização.
Aparece na mitologia como tendo brotado do sangue derramado de um herói grego, Archemorus, quando foi comido por serpentes, e era usada para coroar os vencedores e alimentar os cavalos dos jogos olímpicos.
A salsa era respeitada pêlos gregos e romanos e é usado até hoje no mundo todo.
Duas variedades devem sempre estar presente em nosso jardim.
A salsa crespa e a lisa. As duas variedades têm a mesma constituição.

 

Composição química
Óleo essencial (apiol, apiosídeo e miristicina)
Sais minerais (ferro, cálcio, fósforo, cobre, manganês e zinco)
Vitaminas A e C

 

Propriedades terapêuticas
Diurético (eliminador de uréia), para problemas de inchaços (edemas)
Cálculos urinários, reumatismo, artrite, artrose e gota.
Regularizador do fluxo menstrual, abscessos, chagas, feridas, ulceras, secar o leite materno, picada de insetos.
A salsa é uma das mais fantásticas fonte de vitamina C, é excelente para os rins, evita a formação das pedras nos rins.
Ajuda a digestão e é uma poderosa fonte de cálcio.
Purifica o sangue e evita o sangramento do nariz (folhas frescas introduzidas nas narinas).

 

Modo de usar
Como uso interno:
Diurético, cálculos urinários, reumatismo, artrite, artrose, gota, regularizador menstrual e purificador do sangue.
Tomar três xícaras de chá (infuso) ao dia durante 10 dias (adulto).
Tintura – 15 gostas diluída em um pouco de água três vezes ao dia durante 10 dias (adulto).
Usar a salsa crua na alimentação.

 

Uso tópico:
Chagas, feridas, secar o leite.
Em um pilão, coloque 3 colheres (sopa) de folhas e hastes frescas bem picadas e adicione 1 colher (chá) de mel>
Amasse bem até formar uma pasta. Espalhe sobre um pano ou gaze e aplique, em forma de cataplasma, sobre o local afetado, renovando a aplicação, 2 a 3 vezes ao dia.

 

Ervas de corte
As folhas devem ser colhidas e se possível frescas.
Conservar as folhas frescas no refrigerador. As raízes cortadas em pedaços e as folhas secas devem ser conservadas em vidros escuros ou sacos de papel em separado.
Obs. O uso dessa planta dá ao cabelo uma suavidade sedosa, o torna dócil e favorece o ondulado.

 

Meridiano onde a salsa atua
Rins e Bexiga

 

Partes governadas

Rins, bexiga, cabelos, ossos, dentes, fala, medula (cérebro), sistema nervoso, ouvido.
Quando em desequilíbrio pode ocasionar queda e branqueamento do cabelo, dor de dente, problemas com a fala (afonia), inflamação da garganta, labirintite, pedra no rim, problemas na bexiga, artrite, artrose, gota e hérnia de disco.
Obs. No inverno estes problemas tendem a se agravar (frio).

No emocional
Em desequilíbrio pode deixar o individuo inseguro, com medo, com sentimento de abandono, perda e frustração.
Para estes tipos de problemas tanto no físico como no emocional devemos usar a salsa nas dosagens prescritas acima. Não ultrapassar a dose diária (três vezes ao dia) nem a periodicidade de 10 dias, pois podem ocasionar efeito contrário. Pode-se usar o chá ou a tintura.
Obs. Usar na alimentação, coma salsa crua em saladas e adicione a erva fresca em pratos como: maionese caseira, sopas, coalhada e legumes.

Contra indicação
Não deve ser administrado a gestantes o uso de chás e tinturas.

 

Partes da planta empregada
Raiz, folha e fruto-semente.

Cultivo
O plantio (a propagação de mudas) é feito através da semeadura.
No canteiro de 1 m² pode-se colocar até 25 mudas.
O solo deve ser rico em nutrientes, terra de boa qualidade, areia grosa, esterco e húmus em partes iguais.
A colheita pode ser feita após 3 ou 4 meses após o plantio. O desbaste deve ser feito por baixo cortando as mais desenvolvidas.

Atencão: Nunca use nenhuma erva sem consultar seu médico ou fitoterapeuta.