Nome cientifico: Achillea Milleffolio L.
Nome popular: Milefolium, Aquiléia, Mil em rama, Mil folhas, anador.
Família: Asteraceae (compositae)

 

Habitat
É uma planta de clima subtropical e temperado.
Exige luz e calor, não tolera excesso de umidade, adapta-se bem a climas secos.

 

Características da planta (aspecto agronômico)
Herbácea vivaz, com rizomas (caules rasteiros) esbranquiçados ou purpúreos, que acabam enraizando-se.
Possui galhos eretos, cuja altura varia de 30 a 90 cm.
As folhas são verdes, tenras, compridas e apresentam segmentos recortados.
As folhas são amargas e muito aromáticas.
A inflorescência, em capítulos de flores pequenas e dispostas nas hastes terminais.

 

Historia (origem)
O nome achillea tem origem na Batalha de Tróia: Aquiles curou muitos de seus guerreiros, depois de compreender que a mil-folhas estanca as hemorragias.
Os caules da mil-folhas, desde há muito considerados sagrados, teriam servido aos druidas para influenciar o estado do tempo na Europa, e, na china ajudavam a prognosticar o futuro.
No famoso oráculo chinês I Ching, as varetas que respondem as consultas são feitas com os caules secos da aquiléa.

 

Composição química
Óleo essencial (até 1,4%), que contém cineol e proazuleno.
Flavonóides (apigenina, lutelina e seus glucosideos, artemetina, rutina).
Aminoácidos, açucares, taninos, mucilagens, resinas, alcalóides (aquileína), cumarinas, heterosídeo cianogenético, betaínas, ácido clorogênico, vitamina C, ácido salicílico e cafeico,ácidos graxos, minerais: P e K. fitosterol (sitosterol e acetado de B-sitosterol).
Lactonas sesquiterpênicas.

 

Propriedades terapêuticas
O cineol é o responsável pela ação anti-séptica da planta e o proazuleno pela ação adstringente.
O óleo essencial age fechando os poros dilatados, retirando impurezas e o excesso de oleosidade da pele.
Restaura o equilíbrio ácido natural da pele e mantém a saúde e brilho do cabelo.
Os taninos das folhas também são responsáveis pela ação adstringente (contrai os tecidos).
O azuleno apresenta ainda propriedades antiinflamatória e cicatrizante.
Estimulante das funções digestivas (estomacal e intestinal); gases intestinais.
Problemas relacionados a distúrbios circulatórios, hemorróidas.
Estimulante do apetite em casos de anorexia.
Em casos de febre, resfriados comuns.
Menopausa – ondas de calor.

 

Modo de usar
Para todos estes problemas:
Tomar 3 xícaras de chá ao dia durante 10 dias (adulto).
Tintura, tomar 15 gotas diluída em um pouco de água três vezes ao dia durante 10 dias (adulto).
Banho – o banho de milefolium é indicado como um tratamento para peles oleosas e acneicas. Também é usado para proteger o campo de energia humana.

 

Fitocosmético
Pele oleosa e acneicas. Em massagens e banhos relaxantes e descongestionantes.
Produtos infantis como: creme, xampus.
Fazer um infuso das folhas e aplicar nos cabelos massageando o couro cabeludo – tratamento da queda de cabelos.

 

Ervas de corte
Pode-se usar vasos com a erva de corte nos locais onde há necessidade de proteção. O milefolium é uma erva que traz iluminação nos ambientes onde é usada.

 

Meridiano onde o milefolium atua
Baço Pâncreas e Estômago

 

Partes governadas
Baço pâncreas, estômago, sistema imunológico, boca, céu da boca, bochechas, lábios e carne.
Quando em desequilíbrio pode prejudicar o sistema imunológico ficando o organismo sem defesa, facilitando adquirir doenças infecciosas. Ex. gripe, dores generalizadas no corpo, febre, afta nos lábios, bochecha e gengivite. Pode ainda ocasionar excesso de acidez no estômago.

 

No emocional
Em desequilíbrio pode ocasionar excesso de preocupação, idéia fixa e pensamentos obsessivos.
Para estes tipos de problemas tanto no físico como no emocional devemos usar o milefolium nas dosagens prescritas acima.
Não ultrapassar de 10 dias, pois podem ocasionar efeito contrario.
Pode-se usar o chá das folhas ou a tintura.
Quando em equilíbrio este meridiano trás para o individuo bons pensamentos, boa imaginação, reflexão, calma e liderança.

 

Contra indicação e precaução
Indivíduos sensíveis a esta planta.
Podem causar irritações dérmica e ocular, dores de cabeça e vertigens (quando ultrapassar a dosagem normal).
Em espasmos gástricos e uterinos (cólicas) – associar com Camomila, Calêndula e Verbena.
Em inflamações gastrintestinais, com Camomila e Melissa como vulnerário (próprio para curar feridas), usa-se com arnica, Bardana, Calêndula e Cavalinha.
Como febrífugo (combate a febre) pode sr associado ao Sabugueiro e a Mentha Piperita.

 

Partes da planta empregada
Partes aéreas – folhas e sumidades floridas.

 

Cultivo
A reprodução é feita por rizomas.
Também podemos multiplica-la através das sementes.
O clima deve ser subtropical, aprecia o calor e resiste bem a seca.
O solo deve ser rico em nutrientes contendo terra de boa qualidade, húmus, esterco e areia grossa em partes iguais.
Para cada m² pode-se colocar 9 mudas.
A poda para colheita da folhagem deve ser feita após 5 meses de plantio no jardim.
Antes disso a erva pode sentir e secar.
A poda pode ser rente ao solo não comprometendo o crescimento da planta (risoma touceira).
Podemos armazenar a erva para secagem amarrando cachos das folhas e flores em varais adaptados em local ventilado sem umidade, depois de seco armazenar em potes de vidro na cozinha, ao abrigo da luz solar.
É uma erva muito usada para todos os tipos de gripes.

Atencão: Nunca use nenhuma erva sem consultar seu médico ou fitoterapeuta.