Nome cientifico: Mentha Piperita L.
Nomes populares: Menta piperita, Menta, Hortelã –apimentada, menta-inglesa, hortelã-das-cozinha, Hortelã pimenta.
Família: Labiadas

Habitat
Não é exigente quanto ao clima e prefere locais pouco sombreados.

Características da planta (aspecto agronômico)
Herbácea perene, com rizoma lenhoso e caule quadrangular.
As folhas são opostas, providas de um curto pecíolo e com margens dentadas. As flores são de coloração lilás ou branca, reunidas em espigas terminais. O cálice das flores é rico em pêlos glandulares, repletos de óleo essencial.

 

Historia (origem)
Segundo a mitologia grega a minfa Menthe, filha de Cocyte, Deus do rio, foi responsável pela criação da hortelã. Diz-se que Menthe era amada por Plutão, Deus dos infernos, e isto enfureceu Perséfone, esposa de Plutão. A ira de Perséfone transformou a adorável Menthe numa planta destinada a crescer na entrada das cavernas... que davam acesso direto ao inferno. Era a hortelã pimenta.
O nome botânico provém de mentha, sendo um tributo à ninfa.
Mitologia à parte, os povos antigos conheciam as propriedades medicinais da planta e Carlos Magno, numa atitude de pioneirismo ecológico baixou decretos ferozes para proteger a hortelã nativa.
Acredita-se que a hortelã pimenta seja originária do Oriente.
Hoje existem cerca de 25 variedades diferentes, que medram nas zonas temperadas do globo.


Composição química
Piperitone, mentona (8 à10%), mento – furano (1 à 2%), metilacelato, pulegona, ceneol (6 à 8%, limoneno, jasmone, principio amargo, vitaminas C e D, nicotinamida – traços, terpenos, cetonas, taninos, sesquiterpenos, cariofileno, bisabolol, flavonóides, mentoside, isoroifolina, luteolina, óleo essencial 0,7 a 3% que contém mentol (40 à 60%), ácidos p – cumarínico, ferúlico, cafeico, clorogênico, rosmarínico e outros.
Outros constituintes incluindo carotenóides, colina, bataina e minerais.

Propriedades terapêuticas
Carminativa – facilita a eliminação de gases.
No nível do tubo digestivo a menta piperita exerce uma ação estimulante da secreção estomacal e da contratilidade intestinal.
O óleo essencial (mentol) é responsável pela atividade carminativa e eupéptica, agindo sobre as terminações nervosas da parede gástrica. O ácido rosmarínico é um antioxidante, favorecendo a biotransformação normal dos alimentos ingeridos.
A propriedade colagoga (medicamento que excita a secreção da bílis) é atribuída aos flavonóides.
A ligeira atividade anti-séptica, ao nível do trato digestivo, é explicada pelo fato de que o mentol é excretado pela bile.
Apresenta também uma ligeira atividade anti-séptica e expectorante útil em casos de inflamação das mucosas brônquicas.
Externamente, o mentol presente no óleo essencial excita os nervos sensoriais, diminuindo a sensação de dor, desenvolvendo ação anestésica. Também serve como analgésico estomacal e intestinal, para cólicas (estomacais e intestinais).

Modo de usar
Tomar 3 xícaras de chá ao dia durante 10 dias.
Tinturas tomar 15 gotas diluídas em um pouco de água três vezes ao dia durante 10 dias.
Banho tomar o banho para cansaço físico e mental.
Todas as mentas auxiliam o individuo a obter clareza no raciocínio linear. É também indicado como um banho refrescante e estimulante.

 

Erva de corte
Pode-se ter a erva fresca em potes com água na cozinha, para a manipulação do chá infuso.

 

Meridiano onde a Menta Piperita atua
Pulmão e Intestino grosso.
Erva picante e refrescante.

 

Partes governadas
Nariz, traquéia, brônquios, alvéolos, pele e pêlos.
Quando em desequilíbrio pode ocasionar problemas de urticária, espinhas, furúnculos, coceira, alergia, pelo encravado, prisão de ventre, sinusite e problemas respiratórios.
Obs. No outono estes problemas tendem a se agravar (secura).

 

No emocional
Em desequilíbrio pode ocasionar depressão, angustia, saudosismo, melancolia, e frustração.
Para estes tipos de problemas tanto no físico como no emocional devemos usar a Menta Piperita nas dosagens prescritas acima.
Não ultrapassar a dose diária (três vezes ao dia) nem a periodicidade de 10 dias, pois pode ocasionar efeito contrário.

 

Contra indicação
É contra indicado o uso da essência para lactentes.
Pessoas que possuem cálculos biliares só devem empregar a planta com aconselhamento médico.

 

Parte da planta empregada
Folha e sumidades floridas.


Cultivo
A propagação é através de sementes ou através de estacas (método de estaquia, o mais comum).
No canteiro de 1m² pode-se colocar 10 mudas.
O solo deve ser rico em nutrientes, terra de boa qualidade, areia grossa, húmus e esterco em partes iguais.
O solo deve ser mantido bem drenado.
A colheita das folhas é feita quando do início da floração.

Atencão: Nunca use nenhuma erva sem consultar seu médico ou fitoterapeuta.