Nome cientifico: Lippia Alba (will) n.e. Brown
Nome popular: erva cidreira brasileira, Melissa.
Família: verbenaceae

Habitat
Cultivada em todo Brasil, em especial Rio Grande do Sul.

Características da planta (aspecto agronômico)
Arbusto de até um metro e meio de altura, raramente dois metros, de ramos finos, esbranquiçados, arqueados e quebradiços, portanto folhas opostas, elípticas de largura variável, com bordas serreados e ápice agudo. Flores reunidas em inflorescência capituliformes de eixo curto que apresentam dois diferentes tamanhos.

Historia (origem)
A Lípia é originária do Chile e da Argentina, sendo cultivada no Brasil, em especial no Rio Grande do Sul. Foi levada à Europa em 1784, onde é muito utilizada em chás aromáticos, principalmente na França e na Espanha.
O forte e inconfundível aroma que se desprende das folhas pode ser descrito como um meio termo entre o limão e o cedro. O óleo desta planta é muito utilizado na perfumaria e na aromaterapia.

Composição química
Ácido valeriânico
Sesquiterpenos, B-cariofileno, óleo essencial (0,1 – 0,2%) composto de citral 30 à 35%, limoneno 10 – 18%, alcóois terpenicos: linalol, terpineol, d- citronelol 10-20%, ocasionalmente geraneol, verbenona, flavonóides.

Propriedades terapêuticas
Diminui e previne espasmos e cólicas uterinas e intestinais.
Atua também como estimulante digestivo, especialmente quando a digestão esta muito lenta, ocasionando gases. Nestes casos a Lípia facilita a digestão e favorece a expulsão dos gases, aliviando a dor.
É uma erva auxiliar no tratamento de nervosismo e estados de intranqüilidade.
Por possuir ação estimulante é utilizada como antidepressiva em casos de angustia e insônia.
É indicado para náuseas, indigestão e flatulência.

Fitocosmético
O óleo é usado em perfumaria, é tônico.

Interações

Pode ser combinada como calmante, com anis (Pimpinella anisum), Melissa (Melissa officinalis) e Camomila (Matricaria chamomilla) e com funcho (foeniculum vulgare) e hipérico (hypericum perfloratum l.) como digestivo.

 

Modo de usar
Para cólicas, náusea, indigestão.
Tomar três xícaras de chá ao dia durante 10 dias (infuso) adulto.
Tintura – 15 gotas diluída em um pouco de água três vezes ao dia durante 10 dias.
Banho fazer um banho composto com camomila.


Erva de corte

Pode-se ter a erva em cortes em vasos com água na cozinha.
É sempre proveitoso ter ervas frescas em cortes na cozinha, principalmente quando se trata de um digestivo que alivia a má digestão e as dores advindas desta. Os galhos são longos e desajeitados. Corta-los no tamanho de 30 cm para coloca-los nos potes com água.

Meridiano onde a Lípia atua
Baço Pâncreas e Estômago.

Partes governadas
Baço Pâncreas, estômago, carne, sistema imunológico, céu da boca, bochechas e lábios.
Quando em desequilíbrio pode ocasionar, gripe, dores generalizadas na carne, aftas na bochecha e feridas nos lábios. O organismo fica desprovido de defesa afetando o sistema imunológico.

No emocional
Em desequilíbrio ocasiona excesso de preocupação, idéia fixa, pensamentos obsessivos tornando o individuo carente e excessivamente formal.
Para estes tipos de problemas tanto no físico como no emocional, devemos usar a Lípia Alba nas dosagens prescritas acima.
Não ultrapassar a dose diária (três vezes ao dia) nem a periodicidade de 10 dias, pois pode ocasionar efeito contrário. Pode-se usar o chá ou a tintura.

Contra indicação
Não foram evidenciadas, quando na dosagem indica.
Seu uso prolongado por via oral pode produzir irritação gástrica.

Parte da planta empregada
Folha.

Cultivo
A propagação de mudas é feita através de estacas. (método de estaquia).
As sementes não são fáceis de serem encontradas nas lojas onde é comercializado, procurar sementes de boa procedência.
O solo para plantio deve ser rico em nutrientes, terra de boa qualidade, esterco, areia grossa e húmus em partes iguais.
No canteiro de 1m² pode-se colocar no máximo 2 mudas. Elas se alastram em novas famílias formando grandes touceiras.

Atencão: Nunca use nenhuma erva sem consultar seu médico ou fitoterapeuta.