Nome cientifico: Foeniculum vulgare mill
Nomes populares: Funcho, Erva doce, Fiolho e Finochio.
Família: Umbelliferae

 

Habitat
Vegeta bem em diversos climas, mas prefere os temperados, em locais bem iluminados e com luz solar direta. Não resiste em locais com geadas muito fortes.

 

Características da planta (aspecto agronômico)
Erva vivaz ou bienal que chega a atingir até 2m de altura, com caule estriado, de onde saem os ramos. As folhas se desenvolvem na base da planta e apresentam bainhas muito intumescidas e largas, que se envolvem formando uma espécie de bulbo (cabeça-do-funcho),
Que é comestível. As flores, de cor amarelas, reúnem-se em buquês no formato de umbelas (guarda-chuva), com um número variável de hastes florais (de 10 a 30). A raiz é fusiforme, da grossura de um dedo e deve ser coletada na primavera, logo no primeiro ano, quando ainda não estão fibrosas.

 

Historia (origem)
É originaria da Europa e foi introduzida no Brasil no início da colonização, encontrando aqui condições ideais para o seu desenvolvimento.

 

Composição química
Frutos: 10 a 18% de óleo graxo, ácidos oléicos, lenoléico, palmítico e petroselínico.
Óleo essencial 1,5 a 6% funchona (20%), anetol (ro a 87%), limoneno, pineno, foeniculina.
Açucares 4 a 5%, mucilagens, pectinas, taninos, ácidos clorogênico e caféico, flavonóides, sais minerais, tocoferois, matérias protéicas,
Folhas. flavonóides derivados da quercetina.
Raízes. Óleo essencial (0,12%)
Ácidos orgânicos. Málico, cítrico, curmário, cinâmico, cafeico, ferrúlico, químico.
Sais minerais, compostos fenólicos, cumarinas, hidrocarbonetos terpênicos.

 

Propriedades terapêuticas
Devido aos óleos voláteis que contém, atua no aparelho digestivo, relaxando a musculatura estomáquica, aumentando o peristaltismo intestinal e reduzindo a produção de gases.
Favorece a secreção brônquica, removendo o excesso de muco do aparelho respiratório.
Age prevenindo espasmos e cólicas do organismo.
Seu teor em sais de potássio conferem-lhe propriedades diuréticas.
Favorece a secreção Láctea, sendo muito útil na amamentação.
Em altas doses estimula o fluxo menstrual.
É excelente para distúrbios digestivos e dores de cabeça com origem digestiva.

 

Modo de usar
Tomar 3 xícaras de chá ao dia durante 10 dias. Decocção das sementes maduras.
Tintura 15 gotas diluída em um pouco de água três vezes ao dia durante 10 dias (adulto).
Banhos tomar o banho do chá das sementes cozidas.
O banho de ervas doce é um calmante profundo para pessoas muito nervosas. É uma erva que centraliza e aquece o campo sutil, trazendo quietude para quem o toma.

 

Erva de corte
Pode-se acocar os ambientes usando maços de flores de erva-doce em potes com água.
As umbelas amarelas aquecem os ambientes onde são colocadas e trazem muita iluminação para o pensamento dos moradores.

 

Meridiano onde a erva-doce atua.
Baço-Pâncreas e estomago
Erva de aroma doce

 

Partes governadas
Baço pâncreas, estômago, carne, sistema imunológico, céu da boca, bochechas e lábios.
Quando em desequilíbrio pode ocasionar dores generalizadas na carne (gripe), torna o sistema imunológico prejudicado, ficando o organismo sem defesa, facilitando ao ataque de doenças infecciosas. Ex. gripes, dores generalizadas no corpo, aftas na bochecha e feridas nos lábios.

 

No emocional
Em desequilíbrio o individuo pode ter excesso de preocupação, idéia fixa, pensamentos obsessivos, tornando as pessoas formais, perfeccionistas e carentes.
Para estes tipos de problemas tanto no físico como no emocional devemos usar a erva-doce nas dosagens prescritas acima. Não ultrapassar a dose diária (três vezes ao dia) nem a periodicidade de 10 dias, pois podem ocasionar efeito contrário. Pode-se usar o chá ou a tintura.
Quando em equilíbrio este meridiano tornam as pessoas com boa imaginação, com um profundo entendimento para com o outro, e habilidade para ensinar.

 

Contra indicação
Não há referencia na literatura consultada.

 

Parte da planta empregada
Fruto, folha e raiz.

 

Cultivo
Propagação a reprodução é feito por sementes.
O solo deve ser rico em nutrientes, terra de boa qualidade, húmus, esterco e areia grossa em partes iguais.
No canteiro de 1m² pode-se colocar 5 mudas.
Os frutos (sementes) são colhidos quase secos e retirados dos buquês por meio da debulha.
No Brasil, a variedade mais conhecida e a dulce, de sabor adocicado, cujas folhas “cabeças” são consumidas cruas, cozidas ou em saladas, e é encontrada em hortas e fundos de quintal.
Obs. Seu uso é recomendado a gestantes e lactantes, pois atua como estimulante lácteo.
As folhas (bulbo) devem ser consumidas frescas.
Seus frutos são pequenas sementes oblongas e suas flores são amarelas, no que difere da erva-doce (Pimpenella anisum) que possui fruto ligeiramente arredondado e flores brancas.

Atencão: Nunca use nenhuma erva sem consultar seu médico ou fitoterapeuta.