Nome cientifico: Maytenus ilicifolia mart.
Nomes populares: Espinheira-santa, Cancerosa, Coromilho-do-campo, Espinho-de-Deus, sombra-de-touro.
Família: Celastraceae

Habitat
É encontrada ao longo do rio Paraná. Ocorre principalmente em matas ciliares (beira de rios).

 

Características da planta (aspecto agronômico)
Arvore de pequeno porte (até 4m de altura), com folhas apresentando espinhos na margem (de 3 a 5 pares). As flores são pequenas, amarelo esverdeadas. Fruto cápsulo–ovóide amarelo avermelhado, ficando escuro quando maduro.
O caule apresenta nervuras longitudinais.
É originaria da América do Sul, nativa provavelmente no Paraná.
A espinheira-santa tornou-se conhecida no mundo médico em 1922 quando o professor Aluízio Franca, da faculdade de Medicina do Paraná, relatou o sucesso abtido com ela no tratamento da úlcera.
Mais muito antes disso, a planta já era famosa na medicina popular por suas propriedades curativas, e não só no combate aos males do aparelho digestivo.
Ela era utilizada como remédio antitumor entre os índios brasileiros; no Paraguai, a população rural a empregava como contraceptivo (medicamento anticoncepcional); e na Argentina, como antiasmático e anti-séptica.

 

Composição química
Carotenóides, taninos, terpenos (maitensina), flavonóides, mucilagens, substancias nitrogenadas.

 

Propriedades terapêuticas
Provavelmente devido aos taninos presentes revela um potente efeito antiúlcera gástrica.
Tem ainda poder cicatrizante sobre a lesão ulcerosa.
Pela sua ação anti-séptica paralisa rapidamente as fermentações gastrintestinais.
É indicada para hiperacidez, úlceras gástricas e duodenais e gastrite crônica.
Também indicado para feridas como, escaras, eczemas, herpes e acnes.
Nesses casos a espinheira-santa é usada em interação com folhas de confrei. (aplicar nas partes afetadas com um chumaço de algodão).
Certas hepatopatias (moléstias do fígado) têm como causa perturbações intestinais, nestas a espinheira-santa age corrigindo o funcionamento intestinal.
Nas gastralgias (dor no estômago) acalma rapidamente as dores não diminuindo a sensibilidade do órgão, mas estimulando ou corrigindo a função desviada.
É indicada também para fermentações intestinal, má digestão e eliminação de gases.

 

Modo de usar
Para todos os problemas acima citados
Chá – infuso das folhas – tomar três xícaras de chá ao dia durante 10 dias (adulto).
Tintura – 15 gotas diluídas em um pouco de água três vezes ao dia durante 10 dias.
Obs. A tintura é feita com as folhas.

 

Erva de corte
Pode-se ter a erva em potes com água na cozinha para usar as folhas frescas na manipulação do chá.

 

Meridiano onde a Espinheira-santa atua.
Baço pâncreas e estômago.
Partes governadas:
Paço, pâncreas, estômago, carne, sistema imunológico, céu da boca, bochechas e lábios.
Quando em desequilíbrio o organismo fica vulnerável a doenças infecciosas e o sistema imunológico é prejudicado.
O individuo pode ter dores generalizadas na carne advindas de gripe, aftas na bochecha e feridas nos lábios.

 

No emocional
Em desequilíbrio pode ocasionar excesso de preocupação, idéia fixa, pensamentos obsessivos.
As pessoas tendem a se tornar metódicas e carentes.
Para estes tipos de problemas tanto no físico como no emocional devemos usar a espinheira-santa nas dosagens prescritas acima. Não ultrapassar a dose diária nem a periodicidade de 10 dias, pois podem ocasionar efeito contrario. Pode-se usar o chá ou a tintura.
Certificar-se na compra do chá a procedência da erva, observar a qualidade do produto.
Quando em equilíbrio este meridiano tornam as pessoas calmas, simpáticas e com boa imaginação.

 

Contra indicação
Não deve ser administrada a crianças e nutrizes.
Em mulheres que amamentam pode haver redução da secreção láctea.

 

Parte da planta empregada
Folhas

Cultivo
A propagação é feita por sementes ou por estacas.
O solo dos canteiros deve ser rico em nutrientes, terra de boa qualidade, húmus, esterco e areia grossa em partes iguais.
Deve-se tomar as devidas precauções no momento de se instalar a muda de espinheira-santa no jardim de ervas, por se tratar de uma árvore a preocupação da sombra da copa é um item a ser observado no planejamento do jardim. O ideal é coloca-la longe do jardim de ervas.
Para o plantio de uma arvore, deve-se fazer uma cova de 30cm x 30cm de largura por 40 cm de profundidade.

Atencão: Nunca use nenhuma erva sem consultar seu médico ou fitoterapeuta.