Nome cientifico: Baccharis trimera (Lers) Baccharis articulata (Pers)
Nomes populares: Carqueja amarga, carqueja amargosa.
Baccharis articulata: Carqueja doce.
Família: Asteraceae (Compositae)

 

Habitat
É um vegetal da flora brasileira que cresce em terras secas, pedregosas à beira de estradas.

 

Características da planta (aspecto agronômico) (Baccharis trimera)
Arbusto medindo de 20 a 80 cm de altura formando touceiras.
Possui caule lenhoso, alado em sua extensão, com alas seccionadas alternadamente, levemente nervada. As folhas são bastante reduzidas e ovais. Apresenta inflorescências de em capítulos, quase sempre aglomerados, de coloração amarela. Fruto tipo aquênio, linear, glabro.
As carquejas ocorrem em uma grande variedade de solos sendo que a Baccharis trimera é mais comum nos campos e beiras de estradas a Baccaris articulata é mais comum em terrenos úmidos e banhados. Podem tornar-se invasoras de pastagens.

 

História (origem)
É originaria da América do Sul, faz parte da flora brasileira, germinando com facilidade, sobretudo nos estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.
As carquejas são encontradas em quase todo Brasil, concetrando-se na Região Sul.
A Baccharis trimera ocorre até 2.800m de altitude, florescendo indiferentemente no verão e no inverno.

 

Composição química
Lactonas diterpênicas, flavonóides, resinas, vitaminas, esteroides e /ou triterpenos, polifenóis, taninos, óleo essencial: acefato de carquejol, carquejol, nopineno, cardineno, calameno, eledol, eudesmol.

 

Propriedades terapêuticas
Exerce uma ação benéfica sobre o fígado e intestinos, em decorrência de seus princípios amargos. Purifica e elimina as toxinas do sangue pela ação diurética que exerce.
Além de ter uma propriedade hipoglicemiante, muito útil em casos de diabetes.
Proporciona um bom funcionamento dos intestinos.
É indicada para gastrite, má digestão, azia, cálculos biliares, prisão de ventre.
Auxilia no tratamento das infecções urinarias e no tratamento de reumatismo.

 

Modo de usar
Chá - infuso – tomar três vezes ao dia durante 10 dias.
Tintura – tomar 15 gotas diluída em um pouco de água três vezes ao dia durante 10 dias.

 

Meridiano onde a Baccharis trimera (carqueja) atua
Fígado e Vesícula Biliar

 

Partes governadas
Fígado, Vesícula Biliar, Aparelho reprodutor feminino e masculino, Músculos, Tendões, nervos, coluna, pés e braços.
Quando em desequilíbrio pode ocasionar falta de coordenação motora, reflexos, quedas, acidentes, esbarrões e falta de concentração e memória.
A musculatura torna-se rígida e os olhos congestionados, (vermelhidão, inflamação, coceira).
As secreções – saliva, suor e lagrimas também se alteram.

 

Emocional
Em desequilíbrio pode alterar os humores.
Causa impaciência, intolerância e raiva, falta de reação, apatia.
Para estes tipos de problemas tanto no físico como no emocional devemos usar a carqueja nas dosagens prescritas acima.
Não ultrapassar a dose diária (três vezes ao dia) nem a periodicidade de 10 dias, pois podem ocasionar efeito contrário.
Pode-se usar o chá ou a tintura.
Obs. Na primavera estes problemas tendem a se agravar (vento).
Quando em equilíbrio este meridiano cria uma disposição de flexibilidade física e mental, boa organização, planejamento claro, arrojado e decidido.
Grande poder de decisão e ação.

 

Contra indicação
Não há referencia na literatura pesquisada.

 

Parte da planta empregada
Toda a planta, principalmente parte aérea.

Cultivo
O plantio é feito por estacas (método de estaquia).
As estacas por sua vez são enraizadas na areia grossa passando a serem nutridas com a terra preparada após um mês na areia grossa. A areia deve ser mantida sempre úmida.
O solo deve ser rico em nutrientes.
No canteiro de 1 m² pode-se colocar quatro mudas.
A adubação do canteiro deve ser húmus e esterco.
A colheita pode ter inicio após o 5º mês, no inicio da floração.
Não colher toda a parte aérea, deixar ? da planta nos canteiros.

Atencão: Nunca use nenhuma erva sem consultar seu médico ou fitoterapeuta.